“Intelectuais se dobraram à alienação do trabalho”. Por Marilena Chauí

 

Marilena Chauí

Marilena Chauí

Por CLAUDIA ANTUNES

Na chamada sociedade da informação, os intelectuais se dobraram à alienação do trabalho: não têm mais controle sobre o que produzem, e sua obra é uma mercadoria que não revela a subjetividade do autor.

O misto de acusação e lamento foi feito pela filósofa Marilena Chauí na noite de quarta-feira (17) no Rio, na terceira conferência da série sobre o “elogio à preguiça” que acontece também em São Paulo e Belo Horizonte. “A maneira pela qual os acadêmicos se renderam à ideia de produtividade, de controle de qualidade e de ranking é um escárnio. É a destruição da vida do pensamento”, disse a professora da USP.

Segundo Chauí, nas formas anteriores do capitalismo o intelectual era um “trabalhador improdutivo” porque a ciência e os conhecimentos eram aplicados indiretamente na produção por intermédio da tecnologia.

“Hoje todas as ciências deixaram de ser um conhecimento que passa ao largo do capital para depois serem aplicadas. Elas se tornaram uma força produtiva. É isso que significa a afirmação de que todo poder está na informação. A subordinação do intelectual à lógica do capital se fará com a mesma ferocidade em que ela se fez sobre o proletariado.”

Na sua conferência de mais de uma hora para um auditório de 300 lugares lotado, na Academia Brasileira de Letras, Chauí deu uma espécie de aula sobre “O Direito à Preguiça”, de Paul Lafargue (1842-1911), publicado em Paris em 1880. O genro de Karl Marx, nascido em Cuba de uma família que misturava mulatos e indígenas caribenhos com um judeu francês, escreveu o livro-panfleto em reação à derrota da Comuna de Paris, em 1871.

Ele questionava por que os trabalhadores haviam aderido ao “dogma do trabalho” assalariado, considerando-o uma conquista revolucionária. Propunha a redução da jornada de 12 para três horas diárias. “Ao apertar o cinto, a classe operária desenvolveu para além do normal o ventre da burguesia”, dizia.

No tempo livre, os trabalhadores iriam desfrutar da “boa vida” e perceberiam a “virtude da preguiça”. Na sua origem latina, virtude quer dizer força e vigor, disse Chauí. Portanto, a preguiça iria, segundo Lafargue, fortalecer o “espírito” dos trabalhadores.

Já naquela época, o socialista revolucionário apontava a criação de necessidades fictícias de consumo e a produção de supérfluos para garantir a reprodução do sistema, em que a parcela do trabalho não remunerada (a mais valia) garante o lucro.

Numa referência à ofensiva religiosa que se seguiu à derrota da Comuna –na época foi construída a basílica de Sacre Coeur, em Montmartre, e incentivado no campo o culto a santa Bernadete–, ele escreveu o livro como paródia de um sermão, em que até o descanso de Deus no sétimo dia era citado como exemplo do direito ao ócio. “Não é a irreverência de um ateu, mas a crítica ao trabalho assalariado como trabalho alienado”, disse Chauí.

Antes de discutir o panfleto de Lafargue, a filósofa fez um breve histórico da visão paradoxal que a tradição ocidental tinha do trabalho até os calvinistas lançaram a máxima de que “mãos desocupadas são a oficina do diabo” –na famosa conjunção entre a “Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo” identificada por Max Weber.

No Gênesis da Bíblia, por exemplo, o trabalho é imposto como pena eterna a Adão e Eva, que não mereceram o paraíso. A preguiça, portanto, é um pecado capital. Ao mesmo tempo, a ideia do trabalho como “desonra e degradação” faz com que ele não seja visto como opção de quem tem livre arbítrio.

“Essa ideia aparece nas sociedades escravistas como a grega e a romana, cujos poetas não se cansavam de proclamar o ócio como um valor indispensável para a vida livre e feliz”, disse Chauí. A palavra trabalho não existia em grego e em latim, lembrou ela. “Os vocábulos ergon (em grego) e opus (latim) se referem às obras produzidas e não à atividade de produzi-las.”

A palavra latina que deu origem a trabalho é “tripalium”, um instrumento de tortura. O latim “labor”, que originou o inglês “labor”, significa esforço penoso. “Não é significativo que em muitas línguas modernas recuperem a maldição divina contra Eva usando a expressão trabalho de parto?”, perguntou a professora. Fonte/Crédtios: Folha.com


Saberes e Olhares

Adicione aos Favoritos

This work by Jose Carlos Barros Silva is licensed under a

Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License

Marcado como: , , , ,

Classificado em:Artigos, Filosofia, Política

Obrigado por sua visita. Seja sempre bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Fim do Mundo

Quanto tempo duraria uma Guerra Nuclear

Catástrofes do Fim do Mundo

Cinzas na Lua

Marte destrói Lua

Lua de Sangue e a Profecia do Fim do Mundo

🔴NOSSO MEDO DO APOCALIPSE, CIÊNCIA E RELIGIÃO

%d blogueiros gostam disto: