OS NOVOS FUNDAMENTALISMOS. Por Adriano de León

Adriano9_thumb

Por Adriano de León

OS NOVOS FUNDAMENTALISMOS: Bush, Bin Laden e a diabolização do mundo

 

1. O GRANDE CHOQUE

Aos onze dias do mês de setembro de 2001, pleno terceiro Milênio, as torres gêmeas do World Trade Center são atingidas por aviões Boeings pilotados por kamikazes do novo tempo. Ruem após duas horas de agonia. O poder simbólico da destruição de um dos mais visíveis portais do capitalismo norte-americano é um monte de escombros. Toda a solidez do aço e do concreto se desmancha no ar, parafraseando K. Marx[i], como uma sentença profética de final de milênio. Um terceiro avião se choca com o Pentágono, pondo em cheque a tão proclamada inviolabilidade norte-americana. É neste campo de terror e vingança que o fundamentalismo religioso se renova e emerge como o grande discurso do despertar do milênio.

Ainda:

SABERES EMERGENTES. Por Adriano de León

Manual de boas maneiras para um mundo civilizado. Por Adriano de León

Embora hoje extremamente associado ao Islã, a expressão fundamentalismo surgiu para designar o revivalismo protestante norte-americano da virada do século passado para este[ii]. O seu uso fora deste contexto é bastante questionado até porque, a rigor, os grupos a que se refere quando se fala do Islã não têm uma preocupação literalista na interpretação do Alcorão. Além disso, como destaca um dos mais eminentes filósofos muçulmanos contemporâneos, Seyyd Hossein Nasr no seu Traditional Islam and the Modern World[iii], o termo tem sido usado com tal amplitude, para designar tantos grupos tão distintos entre si que o termo perdeu a sua utilidade como categoria científica.

Lawrence justifica não só o uso de do rótulo “fundamentalista”, bem como o caráter paralelo deste movimento tanto no Protestantismo, como no Judaísmo e no Islã e, embora limite sua análise a estas três crenças, avalia que existe similar em qualquer outra fé – mencionando explicitamente o Hinduísmo, o Budismo e os Sikhs. Ele avalia que ainda que o rótulo não seja absolutamente adequado, ele permite, enquanto categoria sociológica, que se faça um estudo comparativo que permite que se chegue ao cerne do problema e que portanto o nome que se dê ao fenômeno, em si, não é importante. Admitidas estas restrições de cunho instrumental, parece ser admissível utilizar o termo.

A interpretação tradicional do fenômeno fundamentalista se dá a partir do entendimento deste como uma teodicéia destinada a explicar a perda de poder e prestígio das camadas tradicionais da sociedade e a dissolução de seus sistemas valorativos e cognitivos, mobilizando estes segmentos a partir de uma volta aos sistemas tradicionais, o que implica numa rejeição da modernidade, ou da Modernidade Tardia como prefere Giddens[iv].

No entanto, o Fundamentalismo traz em si o discurso da afirmação e não da negação da Modernidade. Neste ponto a diferenciação do chamado Fundamentalismo Islâmico em relação a outros Fundamentalismos, cristão, judeu, marxista ou cientificista, parece se destacar e o mau uso do termo ganha um sentido inusitado e um retrato infiel do seu real significado. Subliminar ao conceito de Fundamentalismo está a idéia de regresso aos Fundamentos da Fé, portanto de rejeição do que não está nas Sagradas Escrituras.

Há quatro condições essenciais para a caracterização do Fundamentalismo: um reforço recíproco entre crença e práticas rituais, uma tradição articulada que deriva sua legitimidade da autoridade de textos religiosos, um líder carismático que lidere a formação institucional durante este processo – por vezes contestando a estrutura vigente – e por fim uma ideologia ligando o líder carismático aos grupos dispersos[v]. Os seguidores deste líder carismático se apegam mais a um tratado atual dos textos sagrados feitos pelas lideranças do que ao texto sagrado propriamente dito.

A definição anterior atende, em parte, à questão de que o Fundamentalismo é a afirmação da autoridade religiosa como holística e absoluta, não admitindo crítica ou limitação; é expresso através da demanda coletiva que aquelas ordenações doutrinárias e éticas derivadas das Escrituras Sagradas deve ser publicamente reconhecida e legalmente reforçada[vi]. Neste plano as Escrituras são o elemento legitimador da autoridade, aspecto que em si não é suficiente para enquadrar o conjunto dos fenômenos atualmente denominados “Fundamentalismos”. Em parte isto se dá porque as diversas fés tratam de forma diferente o papel das escrituras. A substituição da Escritura pela Revelação, portanto a legitimação baseada numa transcendência é mais esclarecedora para compreendermos o fenômeno contemporâneo da escalada dos discursos religiosos no plano político. Um discurso convergente nestes fundamentalismos é, sem dúvida, o restabelecimento de um mundo perfeito, com o banimento das formas heréticas: os novos pagãos, a nova magia, o esoterismo no campo da Ciência Moderna.

Com o advento da república Islâmica no Irã de Khomeini e a consolidação de um discurso conservador nas esferas das três grandes religiões abraâmicas, o conceito fundamentalismo readquiriu novas cores, passando cada vez mais a significar movimentos de caráter conservador e sectário. A idéia de que a vontade de Deus deve ser cumprida a qualquer custo ou sacrifício permeia muitas outras religiões, sobretudo o islamismo em épocas atuais. Na esfera interna, o fundamentalismo lido como movimento social, tem como estrutura constitutiva dois elementos básicos: a rede de fiéis e a liderança religiosa[vii]. A legitimação da liderança religiosa se dá por diversos fatores, mas é a obediência o vetor que dinamiza esta relação. Através de uma gestão autoritária e totalitária do sagrado, da demonização do inimigo, do excesso de fanatismo e da ausência de relativizações e de democracia, a liderança se impõe ao grupo, constituindo a coluna mestra de seu funcionamento. O poder da liderança reside principalmente na recuperação e seleção de verdades reveladas no passado.

2. FUNDAMENTALISMO E MILENARISMO: os ecos do final dos tempos

É impossível separar o Fundamentalismo do discurso milenarista. Há no primeiro todo um suporte escatológico que defende o futuro como o advento de um novo tempo de glória e remissão. O milenarismo é, pois, produto das religiões abraâmicas, notadamente o judaísmo e o islamismo. É nestas religiões que a idéia de um tempo de purificação é declaradamente cantado em versos, em profecias e códigos de honra.

O milenarismo traz imbuída a idéia da História como um vetor. A linha do tempo, o tempo das tribos desde os mitos adâmicos, a gênese, o êxodo, até a nova aliança, chegam ao Ocidente pelos ditos da razão iluminista. A contagem do tempo numa linha reta e sempre crescente é, assim, a base da História Ocidental. A datação gregoriana[viii] estabelece uma uniformidade nos calendários para que o mundo caminhe em uníssono com a Igreja Católica. Isto se dá por um controle discursivo de tamanha força por parte dos cristãos que a celebração do solstício de inverno no hemisfério sul – e seus cultos pagãos a Saturno e a Mitra – foi proclamada como celebração ao nascimento de Jesus Cristo. Em 440 DC a Igreja Católica decide, então, impor 25 de dezembro como data sagrada para o mundo cristão.

Milenarismo e Fundamentalismo remetem ambos a uma espera: a espera do novo tempo, da volta ao estado de pureza original[ix]. É o tempo paradisíaco, o tempo dos que serão julgados e jubilados. Assim, tanto os discursos de Osama bin Laden quanto os de George W. Bush preconizam este tempo de expurgo. Faz-se mister perceber que antes desde tempo onírico, deve se dar a separação do joio do trigo. Desta feita, ao proclamar a morte aos satânicos, os dois lados refletem a submissão do outro à condição do expurgo.

A Modernidade e suas reescritas – a Sociologia, a Antropologia – não mais consideravam a História como um retorno sobre si mesma, mas como um vetor dirigido a uma realização final[x]. A Modernidade e seus autores constroem a idéia de um tempo sempre crescente voltado a uma base de progresso. Bacon, Pascal, Smith, Kant e Darwin são alguns dos maiores expoentes desta idéia de tempo progressista. O que há de comum entre todos eles é a idéia de superação do passado e da renovação evolutiva do futuro. O fetiche do novo da Modernidade tem aqui sua mais plena realização.

O Cristianismo, por sua vez, traz à Modernidade a idéia de avanço a partir dos textos do Antigo Testamento, via renovação do antigo pelas propostas do Messias. A descoberta da América marca no Ocidente cristão esta imagem de renovação dos tempos. Se de um lado havia a abertura dos Infernos através das imagens da Nova Terra, por outro se deu a procura pelo El Dorado nos Andes, na Amazônia, nas Minas Gerais, o futuro renovado e plenamente realizado no novo.

Os relatos dos viajores, primeiros sinais da Antropologia que se inaugura no século 19, estão também carregados de discursos fundadores. O conceito de civilização, deste modo, é forjado pela dicotomia civilizado-primitivo, bem como pela visão idílica de um paraíso após a superação das contradições presentes tantos nas hierofanias sagradas quanto nos textos do jovem Marx.

Fundamentalistas e milenarismos vão constituindo assim o cenário do Novo Mundo. O século 19 é fértil na produção de discursos fundamentalistas de base religiosa. Nos Estados Unidos, um dos principais berços desta tendência, Joseph Smith “encontra” o Livro de Mórmon, o qual propõe um novo modo de compreender a gênese bíblica e a História das Américas. Na doutrina de Mórmon a idéia de punição dos pecados se une à crença na América como território da restauração das dez tribos de Israel.[xi] Segundo seus relatos, haverá o dia da cólera, na qual dar-se-á a separação dos crentes na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias do meio dos ímpios.

Também nos Estados Unidos, o Movimento Adventista do Sétimo Dia surge a partir de um discurso fundamentalista que tem por base o respeito ao sabá, a recusa do tabaco e uma severa higiene alimentar.[xii]

Em 1931 o juiz norte-americano B Rutheford, continuador da obra do pastor prebisteriano Charles T. Russell, solidifica as Testemunhas de Jeová, grupo religioso que prega o fim dos Estados e das religiões, pois todos seriam guiados pelo diabo.

No Oriente, a revolução islâmica de 1979 no Irã, inaugura uma batalha do bem contra o mal que abrange a maioria dos países árabes, as ex-repúblicas soviéticas da Europa Oriental, Indonésia, Paquistão e Afeganistão, entre outros.

3. POR ENTRE AS DOBRAS DOS DISCURSOS: os elementos constituintes dos

discursos fundamentalistas

A maior parte dos discursos fundamentalistas são permeados por algumas idéias que podem ser assim descritas:

1. As cruzadas do bem contra o mal

A dicotomia moderna do bem contra o mal é uma constante no discurso milenarista. Para atingir o mundo novo é preciso que se descarte o antigo e seus pressupostos. Surgem daí as batalhas, as guerras, os enfrentamentos religiosos. São lutas que refletem de um lado a manutenção de um status quo, e por outro k sentimento de guerra santa justificada pela “limpeza” para um tempo novo. É um discurso bélico e ao mesmo tempo sagrado. Está cheio de imagens de batalhas imemoriais nas quais as legiões do mal clamam por sua derrocada a todo custo.

2. A memória do massacre

Os massacres e os sacrifícios desempenham papel fundamental nos ditos fundamentalistas. Há que se renovar o período que se esgota e há que se rememorar a data em que se restabeleceu a nova ordem sagrada. Como o tempo é vetorial, deve haver um marco que assinale a entrada do tempo novo, da ordem nova, a era do sagrado.

3. A visão das pestes

O expurgo dos impuros, tese central do fundamentalismo, terá lugar numa época de agonia na qual as pestes serão o sinal mais visível dos tempos vindouros. É bem comum esta imagem não só nas iconografias medievais, mas também nos discursos do final de milênio. A partir dos anos 80 do século passado, por exemplo, a AIDS é anunciada como a nova peste, o castigo para os fornicadores. A toda hora se evocam as desgraças próprias do final de um milênio, as derrotas econômicas, o surgimento de seitas, o avanço de tendências religiosas e a emergência da Magia antes banida.

4. O anticristo

O mito do inimigo sedutor é o discurso mais presente nestes nossos tempos. Israel, Osama Bin Laden, Estados Unidos, Palestina, Taleban, costumes modernos, entre outros, apontam como um mal absoluto dependendo da tendência religiosa em tela. Sedutor, audaz, cruel, mágico e ardil é este inimigo. Ele é a justificativa absoluta das práticas fundamentalistas de separatismo e rancor. Representa o anticristo, o avanço do outro no território do estabelecido, a intolerância à diferença, o momento final do conflito do bem contra o mal.

5. O julgamento

O julgamento acabará com a velha dicotomia bem versus mal. Representa um ato final, um ato de expurgação na qual a batalha última terá efeito. É também um ato inaugural que conduzirá os eleitos ao paraíso, numa perspectiva espaço-temporal vetorial e evolutiva. Serve este ato para estabelecer uma ordem perdida pela corrupção da moral divina. É um julgamento, pois, sobre-humano, portanto, inquestionável e infalível.

6. O livro da verdade

As sagas das religiões abraâmicas, nas quais se registram os mais refinados efeitos do fundamentalismo, estão povoadas de narrativas proféticas que detêm várias ordens. Uma ordem histórica, em forma de cosmogonia e mitos criacionistas; uma ordem mística, esta pouco explorada pelos fundamentalistas, uma vez que pressupõe a transcendência e a iluminação do espírito; uma ordem moral, que representa a unificação das ações num quadro geral de normas de conduta relacionada a hábitos religiosos, corporais e sociais; e uma ordem profética, direcionada a uma visão futurística do estabelecimento de um plano final e natural dos acontecimentos.

7. O caos e a restauração

O profetismo se inscreve no campo das interpretações herméticas. A linguagem que caracteriza este discurso contém elementos enigmáticos que descrevem lugares e épocas os quais freqüentemente refletem um momento de caos no presente. “O fim da Babilônia”, “A queda da grande meretriz” são exemplos destas narrativas. É um discurso codificado, cuja elaboração pelos profetas é um lembrete de que o caos está por se instalar e com ele o momento do expurgo. Há uma característica própria nesta linguagem: o uso de imagens simbólicas relacionadas a determinadas características da personalidade humana: serpentes, dragões, aves, feras, felinos. Há outras ligadas à personalidade divina: anjos, demônios, elementais. A destruição pelo fogo marca o caos. Este caos resume o fim da impureza na batalha final contra os inimigos e a vitória final do bem sobre o mal. Após o caos uma nova ordem é estabelecida. É o discurso da restauração, estruturação de um tempo mítico infinitamente duradouro. Para o fundamentalismo cristão ou islâmico, o restabelecimento da ordem divina se baseia na reconstituição da Jerusalém Celeste. É o ideal de território sagrado, de retorno ao centro do mundo. Neste local dar-se-á a reunião daqueles que foram segregados pelos pecados que culminaram no caos.

4. A DIABOLIZAÇÃO DO MUNDO: velhas e novas dicotomias

Os discursos fundamentalistas apontam para o diabo como a explicação para os desastres de qualquer natureza nesta transição do Segundo para o Terceiro Milênio. O processo de sujeição de pessoas e povos à imagem do diabo serve de justificativa para atos de violência, uma guerra justificada pelo restabelecimento da suposta ordem natural do mundo.

As idéias sobre o diabo se derivam de três fontes:[xiii] as interpretações do Novo Testamento, o mito da queda a partir de uma leitura da literatura romântica e as tradições populares pagãs dos cultos de sabás.

Era preciso que se fizesse a representação pictórica do diabo para que este deixasse de pertencer a uma ordem cósmica do não representável – como Deus abstrato – para uma ordem do representável. Desta maneira, as primeiras representações associavam o diabo a figuras antropozoomórficas ligadas a determinados animais como morcego, bode, serpente, mitos como o dragão, o unicórnio, portando instrumentos de tortura da época como foices, arpéus e forquilhas. A literatura romântica dá um toque humano ao imaginário do diabo. Pode ser uma mulher, um homem, mas sempre representado com atributos como sedução, magia, luxúria, fornicação, orgia, beleza. Com base nestes modelos, em 1559 Christopher Marlowe escreveu A Trágica História do Doutor Fausto, a qual inaugura uma série de relatos literários românticos sobre a tentação do homem pelo diabo através da riqueza do luxo e dos prazeres da carne.

Com a caça às bruxas o diabo assume a forma de condutor das heresias. Os hereges eram, então, instigados pelo maligno se tornando seus adeptos mais fiéis. A heresia é tomada, assim, como a sujeição de indivíduos a práticas não cristãs. Esta idéia de pacto com o diabo serviu para justificar o assassinato de milhares de indivíduos acusados de práticas associadas à adoração de imagens, blasfêmias, pecados da carne, concupiscência, comunicação co espíritos imundos, cultos anímicos, conspiração, injúria, sacrifícios de crianças, entre outras mais.

Ao resgatar a imagem do diabo para as suas diabruras políticas, homens como W. Bush e Bin Laden inflamam seus seguidores com o discurso do medo para justificar o desequilíbrio e a angústia causados não pelo diabo que é o outro, mas por políticas desagregadoras que sacrificam grande parte do mundo a interesses minoritários e localizados. Há uma cultura do medo[xiv] nestes discursos fundamentalistas, daí a presença do mal como representação da alteridade.

O imaginário de um império do diabo contra as nações cristãs não é propriamente uma novidade. O império otomano passa a ser uma representação do mal já no século 15. mesmo após a queda de Constantinopla, a cultura mourisca foi alvo de investidas cujo objetivo era varrer da Europa Central os resquícios da infidelidade mulçumana. As novas formas de heresia – o modo de vida ocidental para os fundamentalistas islâmicos e o terrorismo mulçumano para os fundamentalistas cristãos – são formas de controle de discursos que representam um contradito no campo das religiões de origem abraâmica, presumidamente uniforme, uma vez que tem sua origem num mesmo conjunto de textos.

Ao colocar os sujeitos como produto da articulação entre saber e poder, Michel Foucault descarta a possibilidade de que um processo racionalizador seja o condutor das mudanças sociais, como teorizava Max Weber, e, nesta perspectiva, busca uma forma de investigação distinta daquela usada pelos cientistas sociais clássicos. Esta forma Foucault vai encontrar no procedimento genealógico elaborado por F. Nietzsche[xv]. Neste sentido, Foucault trabalha com o conceito de invenção, uma vez que não há uma verdade a ser descoberta pela investigação científica, ou seja, uma origem das coisas, e sim como estas coisas foram “inventadas” a partir de um discurso já-dito. Em pensando-se assim, pode-se anexar à genealogia foucaultiana as propostas básicas da Análise de Discurso. O discurso fundamentalista inventa seus inimigos para que possa se realizar na sua suposta pureza. Inventar não significa criar a partir do nada, mas sujeitar o outro à condição de maligno neste caso em particular.

A própria etimologia do termo discurso evoca a idéia do curso, do percurso, do movimento. Assim entendido, o discurso seria o percurso dos vários sujeitos – o sujeito errante -, sua dispersão e conjunção em dados momentos. Esta dispersão, no entanto, não é aleatória. Ela é socialmente controlada por um corpo de interpretadores do discurso, o qual, ao interpretá-los, atribui sentidos aos mesmos. As instituições sociais administram os sentidos dos vários discursos com base num jogo de saberes e poderes, estes também frutos de uma construção discursiva. Os fundamentalismos religiosos, com efeito, aparecem neste início de milênio como a maior explicação para os conflitos territoriais e políticos ora em curso. Não são as bolsas de valores, não são as crises econômicas que dominam o cenário dos discursos, mas a religião e seus modelos explicativos.

Analisar discursos ou perseguir a genealogia de uma idéia é pôr em suspenso a interpretação[xvi]. O objeto de investigação é algo inexistente se não estivesse investido de sentidos para a sociedade e pela sociedade. A investigação da Análise de Discurso, para a lingüística[xvii] se dá no plano do interdiscurso, para Mangueneau, e no arquivo, para Foucault.[xviii] Assim, a busca dos discursos é a busca da construção destes próprios discursos que emergem em várias falas, sob vários enunciados, configurando o perfil da sociedade que os retém.

A inversão metodológica de maior cunho no que diz respeito a analisar não as interpretações de um discurso, mas o modo como este foi soerguido, quer dizer que o objeto está investido de significância para os sujeitos e pelos sujeitos.[xix] Deste modo, um mesmo objeto pode ter diferentes análises, uma vez que a Análise de Discurso é um dispositivo analítico, o que pressupõe sua adaptação a várias formas interpretativas ou dispositivos teóricos.[xx]

A partir das dobras para fora[xxi] é que se torna possível visualizar o que está fora do quadro, ou seja, analisar os lastros formadores dos Fundamentalismos atuais. O visível nos discursos fundamentalistas de Bin Laden ou W. Bush é apenas uma pequena parte de rede interminável permeada por idéias tão antigas quanto os livros religiosos de cristãos e mulçumanos. Da luta do bem contra o mal surge o caos, as pestes, os massacres e suas memórias. Esta dura batalha termina com o restabelecimento da verdade única, o fundamentalismo no seu mais amplo espectro, verdade esta que presume o fim das heresias e da maldade que se agregou ao mundo.

Foucault chama o corpus da análise de arquivo. Há sinonímias para tal, a exemplo de interdiscurso ou memória discursiva. Vale salientar que dentro deste corpus em análise todas as formas ditas repousam sobre formas discursivas já-ditas. Assim, o arquivo não pode ser algo fechado que se encerre em si mesmo e onde toda análise tenha efeito. Ao contrário ele é, por assim dizer, a ponta do iceberg de toda uma formação discursiva que atravessa espacilidades e temporalidades, bem como classes sociais e indivíduos singulares. Conseqüentemente não posso pensar numa produção de discurso como ideológica aos moldes marxistas, e sim como uma profusão de idéias, um fluxo contínuo de dizeres, conforme Weber.[xxii]

Produzir discursos é produzir mediações. Um discurso é sempre uma interpretação ou uma pré-interpretação do mundo. Sua elaboração se dá a partir de uma trama de outros tantos discursos que se entrelaçam para aparecerem como um discurso uniforme e coerente. Se o discurso, portanto, visa a compreensão das coisas do mundo, então ele almeja tornar coerente o que lhe parece difuso, comum o que lhe é disperso, igual o que lhe chega diferente.

O arquivo busca definir os discursos, não as representações. Esta é uma idéia central nos estudos de Análise de Discurso. A descrição das imagens, a reconstituição dos modelos não são temas deste tipo de metodologia. Na arqueologia, sinônimo de Análise de Discurso, o discurso é um monumento.

Neste esteio, não nos interessa interpretar os discursos fundamentalistas produzidos neste início de milênio. A análise proposta neste texto busca construir os modelos epistemológicos sobre os quais se erguem os ditos atuais. São, pois as posições dos sujeitos o foco das reflexões feitas a partir da Análise de Discurso. As práticas são reflexo de um discurso que clama, antes de tudo, por um controle de idéias, corpos e sociabilidades. O fundamentalismo atual significa, portanto, um controle discursivo baseado nas idéias do mal – o diabo – e do medo – o terror, evocados a parir de uma construção simbólica milenarista a qual toma o diferente como causador do mal-estar do mundo que ora se renova.

Por Adriano de León

Professor do Programa de Pós-Graduação em Sociologia da UFPB – Brasil

NOTAS

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

AGOSTINHO. A Cidade de Deus. São Paulo, Loyola, 1996.

DELUMEAU, Jean. Mil Anos de Felicidade. São Paulo, Companhia das Letras, 1999.

____________. História do Medo no Ocidente. São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas. São Paulo, Martins Fontes, 1982.

GIDDENS, Anthony. As Conseqüências da Modernidade. São Paulo, UNESP, 1991.

GIRARDET, Raoul. Mitos e Mitologias Políticas. São Paulo, Companhia das Letras, 1982.

LAWRENCE, Bruce. Defenders of God: the fundamentalism revolt against the modern age. Nova York, Paperback, 1999.

LEITE, Bertília & WINTER, Othon. Fim de Milênio. Rio de Janeiro, Jorge Zahar, 1999.

LINK, Luther. O Diabo. São Paulo, Companhia das Letras, 1998.

LIVRO DE MÓRMON, O. Salt Lake City, Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias, 1997.

MARX, Karl. Obras Escolhidas. Lisboa, Alfa e Ômega, 1982.

MANGUENEAU, Dominique. Novas Tendências em Análise do Discurso. Campinas, Pontes, 1992.

NIETZSCHE, Friedrich. O Crepúsculo dos Ídolos. São Paulo, Loyola, 1982.

ORLANDI, Eni P. Análise de Discurso. Campinas, Pontes, 1999.

ORO, Pedro. O Outro é o Demônio: uma análise sociológica do fundamentalismo. São Paulo, Paulus, 1996.

SINGER, Helena. A Genealogia Como Procedimento de Análise. In: Foucault. São Paulo, USP, 1999.

WEBER, Max. Sociology of Religion. Londres, UCP, 1992.


[i] K.. Marx. Obras Escolhidas. P. 135.

[ii] Bruce Lawrence, Defenders of God: The Fundamentalist Revolt Against the Modern Age, 1999.

[iii] Vide Cap. 2.

[iv] A. Giddens. As Conseqüências da Modernidade, 1991.

[v] B. Lawrence. Id.

[vi] Id. Ibid..

[vii] P. Oro. O Outro é o Demônio, 1996, p. 75.

[viii] Vide B. Leite & O. Winter, Fim de Milênio, 1999, Parte IV.

[ix] Recomendo a leitura de R. Girardet. Mitos e Mitologias Políticas, 1986.

[x] Neste contexto podemos inserir A Cidade de Deus de Agostinho como parte central desta idéia.

[xi] Livro de Mórmon,

[xii] Para mais explicações vide J. Delumeau, Mil Anos de Felicidade, 1999.

[xiii] Cf. L. Link, O Diabo, 1998.

[xiv] Sobre isto vide J. Delumeau, História do Medo no Ocidente, 1989, primeira parte.

[xv] H. Singer, A Genealogia Como Procedimento de Análise. A autora trabalha os conceitos de emergência epistemológica e invenção na obra de M. Foucault. A proposta básica de F. Nietzsche em O Crepúsculo dos Ídolos, 1983, p. 187-223, é construir uma filosofia “a marteladas” que derrube os ídolos da Modernidade.

[xvi] E. P. Orlandi, em Análise de Discurso, 1999: 25 e segs., estabelece uma diferença básica entre Análise de Discurso e Hermenêutica: a primeira visa compreender como o simbólico constrói sentidos, analisando a sua própria interpretação, esta objeto da Hermenêutica.

[xvii] Aqui no Brasil a UNICAMP representa esta vertente. Há toda uma ligação da Análise de Discurso com três teorias: a Psicanálise, o Marxismo e a Lingüística Clássica. Nesta tese as citações da Análise de Discurso não têm necessariamente esta referência teórica.

[xviii] Foucault pensa o arquivo como um conjunto de saberes que se constroem a partir da intervenção de um conjunto ordenado de poderes.

[xix] A este respeito, E. P. Orlandi, em Análise de Discurso, 1999: 26, apresenta uma série de considerações sobre a proposta metodológica da Análise de Discurso, bem como estabelece uma diferenciação entre esta e a hermenêutica como procedimento analítico.

[xx] Veja o exemplo da escola de Campinas ligada a Análise de Discurso: as análises feitas por Orlandi e outros seguem bem a vertente marxista que tem a ideologia na produção de discursos como tônica principal. Este não é o nosso caso.

[xxi] Vide M. Foucault. As Palavras e as Coisas, 1982, cap 3.

[xxii] Para M. Weber, em Sociology of Religion, 1992: cap. 2 e seg., bem como para D. MacRae, um dos seus biógrafos, ideologia seria para este autor “um fluxo caótico de idéias”.


Saberes e Olhares

Adicione aos Favoritos

This work by Jose Carlos Barros Silva is licensed under a

Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License

Marcado como: ,

Classificado em:Acadêmicos, Política

Obrigado por sua visita. Seja sempre bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Fim do Mundo

Quanto tempo duraria uma Guerra Nuclear

Catástrofes do Fim do Mundo

Cinzas na Lua

Marte destrói Lua

Lua de Sangue e a Profecia do Fim do Mundo

🔴NOSSO MEDO DO APOCALIPSE, CIÊNCIA E RELIGIÃO

%d blogueiros gostam disto: