Livro – “Ciências sociais são reféns de conceitos teóricos…”

Eles só pensam naquilo

Livro de sociólogo defende que ciências sociais são reféns de conceitos teóricos e ataca acadêmicos ilustres

Por FABIO VICTOR

 

 

O sociólogo Luís de Gusmão, autor de Acaba de sair, pela editora Topbooks, um livro capaz de balançar o coreto acadêmico das ciências sociais.

Provocativo desde o título, “O Fetichismo do Conceito”, do sociólogo Luís de Gusmão, 56, professor da UnB (Universidade de Brasília), cutuca vacas sagradas da sociologia e da história ao defender que a pesquisa nessas áreas, especialmente na primeira, é escrava dos conceitos teóricos e descolada da vida real. O uso de linguagem obscura e de jargões inúteis é colocado pelo autor como sintoma dessa veneração a termos herméticos, cunhados para resumir sistemas de pensamento considerados novos.

Gusmão puxa a orelha de mitos universais da academia, como o francês Pierre Bourdieu (1930-2002) e o alemão Jürgen Habermas, e espeta brasileiros célebres como Florestan Fernandes (1920-1995) e Sérgio Buarque de Holanda (1902-1982). Junto a louvores ao “notável historiador” que foi Buarque, faz reparos ao “ensaísmo especulativo” de passagens pontuais de “Raízes do Brasil” e ao “uso infeliz” das teorias de Max Weber (1864-1920) em “Monções” e “Caminhos e Fronteiras”.

Identifica Florestan como “expressão modelar do fetichismo do conceito na investigação social”. Alexis de Tocqueville (1805-1859) e Joaquim Nabuco (1849-1910), por outro lado, são apontados como modelos de que é possível fazer boa análise social sem sujeição irrestrita a conceitos.

Outro contraponto aos “fetichistas” seriam grandes romancistas clássicos como Flaubert, Stendhal, Dostoiévski e Tchékhov. Primeiro livro do autor, que pesquisa o tema há 15 anos, “O Fetichismo…” chega avalizado por figuras de peso. O prefácio é do historiador Evaldo Cabral de Mello, que recomendou o livro à Topbooks após receber pelo correio o trabalho de Gusmão. “[…] Não creio que, entre nós, se haja escrito nada de tão relevante sobre os limites do conhecimento teórico em matéria de ciências humanas”, apontou Cabral no texto que acompanha a edição.

O posfácio coube ao jornalista Marcelo Coelho, colunista da Folha e mestre em sociologia pela USP, para quem o trabalho é “um divisor de águas no pensamento social contemporâneo”. Já a orelha foi escrita pelo professor titular de sociologia da UFMG Renan Springer, que relata ter se inspirado no argumento de Gusmão para contestar “inferências fantasiosas” de Max Weber. Gusmão atribuiu a inspiração do seu trabalho a Paul Veyne e Isaiah Berlin (1909-1997), mas conta que o empuxo prático veio dos corredores das universidades. “É praticamente impossível defender um mestrado ou doutorado sem apresentar questões teóricas, cobrança dispensável e funesta.”

Fonte/crédito: Folha de São Paulo


Saberes e Olhares

Adicione aos Favoritos

MyFreeCopyright.com Registered & Protected

clip_image00232
This work by Jose Carlos Barros Silva is licensed under a

Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License

clip_image00332

Anúncios

Marcado como: ,

Classificado em:Livros, Notícias Gerais

Obrigado por sua visita. Seja sempre bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Fim do Mundo

Quanto tempo duraria uma Guerra Nuclear

Catástrofes do Fim do Mundo

Cinzas na Lua

Marte destrói Lua

Lua de Sangue e a Profecia do Fim do Mundo

🔴NOSSO MEDO DO APOCALIPSE, CIÊNCIA E RELIGIÃO

%d blogueiros gostam disto: