AMOR. por Carlos Barros

L'Amour et Psyché - François-Édouard Picot (1817)

AMOR

Autor – Carlos Barros

Ficarei na sombra deste sentimento indecifrável, incoerente, inexplicável, imprevisível. Escreverei em poucas linhas sobre este mistério que amorosamente nos encanta. O encantado amor dos sensíveis, dos egoístas, dos altruístas, dos artistas. O feminino amor com seus desejos, sonhos, mistérios, seduções, ilusões, desilusões, esperança. Sua força de amar. Sua potência para recomeçar.

Amor que amamenta, acalenta, lamenta, completa, complementa. Amor reprimido, correspondido, rejeitado. Amor ferido que grita, ameaça, chora, foge. Arrependido amor que retorna, abraça, promete, implora perdão. Amor que perdoa! Depois o carinho, o beijo e o sexo perdoado. Esta química do amor diluída na física do corpo. Esta matemática do amor dividido, somado, multiplicado.

Saudade do amor, do primeiro amor. Tristeza pelo amor que morre. Lagrimas pelo amor que se foi. Júbilo pelo amor que nasce, cresce, rejuvenesce. Amando palavras de amor eterno.

Agora fecha teus olhos e escuta a sabedoria da Vida: Se amares verdadeiramente, deverás conviver com a busca incansável da felicidade com este amor, com o medo da perda deste amor e a saudade do amor que partiu.

Não há como esquecer os amores do passado. Ama o amor do presente. Afrodite é deusa inspiradora. O amor é divinamente eterno na alma dos mortais. Não temas o amor-paixão que corrói o espírito. Não morrerás de amor!

Sentirás na pele os sentidos orgânicos do amor. Teu corpo abrasador expressa este gozo desejante. Amor entre quatro paredes, fora das paredes, amor sem paredes! Amor que penetra na carne sem pudor. Amor fluido descendo pela boca insaciável de Eros.

Tranquiliza-te perante o amor. Acalma teu coração. Deixa de lado a incerteza provocada em nome da razão. Enquanto teu espírito procura respostas, o amor escorrega entre teus dedos. Que não seja necessário desvendar, entender, explicitar. Que seja suficiente senti-lo atravessando teu ser.

Não matarás em nome do amor. Amarás em nome dos que amam. Amarás o próximo e o distante. Amarás a terra. Amarás os animais. Amarás a existência! Amarás o amor que transborda no teu interior. Amarás a Vida como a ti mesmo!

 

Autor – Carlos Barros


Saberes e Olhares

Adicione aos Favoritos

MyFreeCopyright.com Registered & Protected

This work by Jose Carlos Barros Silva is licensed under a

Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License

Marcado como:

19 Respostas »

  1. Lindo texto. faz nos acreditar que o amor ainda existe.

  2. Belíssimo… e é tudo isso que faz a vida ser bela… por causa do maravilhoso amor. Parabéns!

  3. Adoro a sua sensibilidade, em tudo que você escreve. Sensibilidade esta, que nos faz entrar em um verdadeiro movimento internos, toda vez que lemos os seus textos, dizeres, falas… é impossível ficar inerte.

  4. Maravilhoso, fantástico…Parabéns por esse Dom Divino.

    • Maria Nasidí, agradeço suas palavras carinhosas acerca do meu texto. Que eu possa expandir este dom a todos que precisam um pouco de poesia. Muito obrigado por sua visita. Forte abraço! Carlos Barros

  5. Perfeita escrita,sensível,acolhedora e muito reflexiva!
    Parabéns.

  6. Adorei o texto…foi como um luva nesse momento de crise existencial que vivo…

  7. muito lindos os teus textos parabéns amigo ;

Obrigado por sua visita. Seja sempre bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

🔴 FIM DO IMPERIALISMO?

🔴 MODERNIDADE E CRISTIANISMO

🔴 DEMONIOS E ALIENÍGENAS

🔴 PARA ONDE CAMINHA A HUMANIDADE?

🔴 TEORIA DA CONSPIRAÇÃO?

🔴 ASTEROIDE 2002 NT7

🔴MEDO DO APOCALIPSE

%d blogueiros gostam disto: