COM MICHEL FOUCAULT NUMA MESA DE BAR. por Carlos Barros

Michel Foucault

COM MICHEL FOUCAULT NUMA MESA DE BAR

Autor – Carlos Barros

Ontem, numa mesa de bar, fiz a seguinte indagação a Michel Foucault: o que é pior, uma visão que generaliza acontecimentos políticos isolados, ou uma visão reducionista dos acontecimentos políticos?

O filósofo francês, que parecia um pouco apressado, tomou um gole de vinho e respondeu.

– Acho pertinente a sua questão, especialmente em seu país, pois enquanto lançam vaias sobre a Presidenta do Brasil, pagam em torno de 400 reais para gritarem a favor da seleção do Brasil. Por favor, nada contra este belo esporte! Mas esta tem sido a minha hipótese, ou melhor, meus devaneios de filósofo: Depois da Revolução Francesa (a de Danton), da Revolução Russa (a de Lênin) e da revolução cubana, vivemos a era do reformismo capitalista. Dos anos 60 pra cá você já viu manifestações contra o capitalismo ou contra a propriedade privada e a favor do socialismo? No seu país e em outros da América latina, quem lutou por tudo isso agora descansa algemado no fundo do mar. Obviamente que não sou contra as lutas de perfil cultural, apenas acredito que tais lutas estão dentro da ordem capitalista, ou melhor, dentro da ordem do discurso. Enquanto lutam contra o aumento de passagem, pela sobrevivência da floresta amazônica, pelo rio São Francisco, pelo casamento gay, por carteiras estudantis ou contra o aumento da entrada no cinema, a ordem capitalista agradece – e até apoia -. Não se esqueça de que o poder não se concretiza, não nos atravessa apenas pela repressão, mas também pela sedução e pelo prazer (Meu caro Sigmund Freud adoraria esta parte de minha fala). Eis a questão, meu caro, relações de poder! Talvez esteja aí a tal revolução que devemos focar. Bem, peço-lhe desculpas, mas ainda tenho um encontro com meus amigos Nietzsche e Gilles Deleuze. Vamos beber vinho (Nietzsche só bebe água) e fumar até o dia nascer. Fique bem!

Apertei sua mão e fiquei só. Meditava em cada palavra dita por Foucault. Retornei para casa com a cabeça pesada. Questionava-me se a utopia morreu. Decidi que ainda vale a pena sonhar… Ou não?

Autor – Carlos Barros


Saberes e Olhares

Adicione aos Favoritos

This work by Jose Carlos Barros Silva is licensed under a

Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Vedada a criação de obras derivadas 3.0 Unported License

Anúncios

Marcado como:

4 Respostas »

  1. Gostei , principalmente da parte onde é observado que ”eles pagam até 400 reais para gritar”..

Obrigado por sua visita. Seja sempre bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Fim do Mundo

Quanto tempo duraria uma Guerra Nuclear

Catástrofes do Fim do Mundo

Cinzas na Lua

Marte destrói Lua

Lua de Sangue e a Profecia do Fim do Mundo

🔴NOSSO MEDO DO APOCALIPSE, CIÊNCIA E RELIGIÃO

%d blogueiros gostam disto: