Rosetta faz descoberta surpreendente de oxigênio no cometa 67P

Rosetta faz descoberta surpreendente de oxigênio no cometa 67P

Descoberta é importante para compreensão da origem do Sistema Solar. Esta é a primeira vez que oxigênio foi detectado em um cometa.

Ciência e Saúde |


Imagem tirada por câmera na sonda Rosetta mostra cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko (Foto: AP Photo/ESA)

A sonda espacial Rosetta encontrou oxigênio molecular (O2) entre os gases que cercam o cometa 67P, uma descoberta importante para compreender a origem do Sistema Solar, segundo estudo publicado nesta quarta-feira na revista “Nature”.

Trata-se da primeira observação de oxigênio na cauda (cabeleira) de um cometa, composta principalmente de vapor d’água, monóxido e dióxido de carbono.

“Foi muito surpreendente”, disse André Bieler, pesquisador da Universidade de Michigan e autor do estudo. “Não esperávamos mesmo encontrar oxigênio”.

Apesar de já ter sido detectado em outros corpos celestes que contêm gelo – como, por exemplo, as luas de Júpiter e Saturno – até o momento era desconhecida a presença de oxigênio num cometa, embora agora acredite-se que possa ser algo comum.

Foi detectado pelo espectrômetro de massa da sonda Rosetta, que está acompanhando o cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko em sua viagem ao redor do Sol.

Oxigênio e água têm mesma origem
As medições levadas a cabo mostram uma quantidade de O2 de 3,8% em relação à quantidade de água (H2O) presente. A análise desta razão indica que o oxigênio e a água presente no cometa têm a mesma origem.

Isto sugere que o O2, presente na nuvem molecular que originou o sistema solar, fi incorporado ao núcleo do cometa durante a formação do corpo celeste.

Oxigênio primordial
“Pensamos que trata-se de oxigênio primordial”, quer dizer, proveniente da nuvem molecular original, informou Bieler.

De acordo com o astrônomo, parece que a maior parte do material a partir da nuvem molecular sobreviveu inalterada para a formação subsequente do sistema solar 5 bilhões de anos atrás.


Cometa 67P/Churyumov-Gerasimenko (Foto: ESA/Rosetta/MPS/UPD/LAM/IAA/SSO/INTA/UPM/DASP/IDA)

A Rosetta vai continuar a monitorar a presença de oxigênio para tentar entender o que isso significa, bem como as transformações no cometa 67P depois de passar em 13 de agosto pelo periélio, o ponto mais próximo em sua órbita elíptica ao Sol.

Com seus 11 instrumentos, Rosetta faz órbitas irregulares ao redor do cometa, atualmente a 270 milhões de quilômetros da Terra, com o qual se comunica através de ondas de rádio.

Fonte: http://glo.bo/1NBJfDu

Robô adormecido
Já o robô-laboratório Philae, empoleirado há quase um ano sobre o cometa, não mostrou nenhum sinal de vida desde 9 de julho.

Suas baterias são carregadas com dificuldade porque está em uma área montanhosa com pouca exposição à luz solar.

As aventuras da sonda não acabaram. A Europa continuará a missão até setembro de 2016 e considera a possibilidade de “pousá-la” o mais suavemente possível sobre o corpo celeste para encerrar sua aventura científica com esse encontro no espaço.

© Copyright 2000-2015 Globo Comunicação e Participações S.A.

Obrigado por sua visita. Seja sempre bem-vindo!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

🔴 FIM DO IMPERIALISMO?

🔴 MODERNIDADE E CRISTIANISMO

🔴 DEMONIOS E ALIENÍGENAS

🔴 PARA ONDE CAMINHA A HUMANIDADE?

🔴 TEORIA DA CONSPIRAÇÃO?

🔴 ASTEROIDE 2002 NT7

🔴MEDO DO APOCALIPSE

%d blogueiros gostam disto: