Escritos rss

Posts de Crônicas

VIDA PENSANTE: por que temer a Morte? por Carlos Barros

(0)
04/12/2014

Eis que somos tomados pelo medo. Medo de morrer! Medo da Morte! Medo da morte do ser amado, Medo do Pós-morte na Pós-modernidade…

Avalie isto:

AMOR DA FLOR. Por Carlos Barros

Seria possível amar o amor? Como amar algo que me deixa no limiar do sofrimento? Esse amor que é lançado sobre mim mesmo ou sobre o outro. Este outro que deverá corresponder o meu amor…

Avalie isto:

O Pequeno deus. Por Carlos Barros

Poder tocar nas estrelas. Beijar a lua com os lábios molhados. Voar como as águias. Andar sobre as águas. Ordenar que os ventos se acalmem. Inventar um céu para os animais…

Avalie isto:

CONFORTO DA VIDA. por Carlos Barros

Quando deixo de amar, o amor expõe que voltará. Quando a paixão retorna, me faz crer na sua promessa. Quando o desejo acende minha pele, sou acarinhado pelas mãos de Afrodite…

Avalie isto:

LEMBRANÇAS DE UM AMOR. Por Carlos Barros

…Das bocas molhadas e seus gemidos. Dos corpos suados, marcados por unhas e dentes. Daquele sexo selvagem que fazia da dor um prazer. Das palavras ditas sem razão…

Avalie isto:

AMOR. por Carlos Barros

Sentirás na pele os sentidos orgânicos do amor. Teu corpo abrasador expressa este gozo desejante. Amor entre quatro paredes, fora das paredes, amor sem paredes! Amor que penetra na carne sem pudor. Amor fluido descendo pela boca insaciável de Eros…

Avalie isto:

SE ENCONTRARES. por Carlos Barros

…Avisa-me se tu encontrares a paz, pois esquecerei a guerra humana.
Avisa-me se tu encontrares um cão, pois aprenderei com seu olhar.
Avisa-me se tu encontrares uma mulher, pois exaltarei o eterno poder feminino…

Avalie isto:

MEU SONHO UM DIA DEPOIS DE AMANHÃ. Autor – Carlos Barros

MEU SONHO UM DIA DEPOIS DE AMANHÃ Autor – Carlos Barros Sonhei que depois da euforia o povo retornava para casa. Sonhei que os gritos de guerra se calavam. Sonhei que todos esqueciam o dia de hoje. Sonhei que o ontem fora esquecido perante o cotidiano. Sonhei que o amor pelo futebol foi maior que… Leia mais ›

Avalie isto:

AS MÃOS. por Carlos Barros

Nas mãos do amor e do desejo. Acariciando, segurando, afagando, apertando. Mãos excitadas, tremulas de prazer. Mãos libidinosas apaixonadas por outras mãos. Suavemente penetrantes, carinhosamente devoradoras. Mãos que ameigam a intimidade molhada, que provocam arrepios, que relaxam no orgasmo saciado. Suadas e cansadas, as mãos amantes se acalmam…

Avalie isto:

A DEUSA DA HISTÓRIA. por Carlos Barros

Mas que teu coração não perca a utopia. Que a incerteza não se apodere da tua alma. Sou uma deusa em constante mutação. Alguns acontecimentos poderão parecer os mesmos, mas não serão. Outros poderão parecer diferentes, mas nem tanto…

Avalie isto:

COM MICHEL FOUCAULT NUMA MESA DE BAR. por Carlos Barros

Depois da Revolução Francesa (a de Danton), da Revolução Russa (a de Lênin) e da revolução cubana, vivemos a era do reformismo capitalista. Dos anos 60 pra cá você já viu manifestações contra o capitalismo ou contra a propriedade privada e a favor do socialismo? No seu país e em outros da América latina, quem lutou por tudo isso agora descansa algemado no fundo do mar. Obviamente que não sou contra as lutas de perfil cultural, apenas acredito que tais lutas estão dentro da ordem capitalista, ou melhor, dentro da ordem do discurso…

Avalie isto:

AS ÚLTIMAS HORAS DE UM REI. Por Carlos Barros

Para seus inimigos é a hora da vingança. Para os idealistas burgueses é a hora do nascimento de um novo mundo. Luiz sabe que suas chances são remotas, mas seu coração ainda guarda certa esperança. Talvez os líderes revolucionários mudem de ideia. Talvez possa escapar com ajuda de antigos súditos. O tempo passa e nada acontece. Sente fome. Seu banquete se resume a uma migalha de pão…

Avalie isto:

AMOR. por Carlos Barros

Tranquiliza-te perante o amor. Acalma teu coração. Deixa de lado a incerteza provocada em nome da razão. Enquanto teu espírito procura respostas, o amor escorrega entre teus dedos. Que não seja necessário desvendar, entender, explicitar…

Avalie isto:

MEMÓRIAS DE UM MILITANTE. por Carlos Barros

Éramos jovens universitários preocupados com política. Descobrimos que éramos sujeitos históricos. Éramos filhos da história e da cultura. Descobrimos que o tempo não era linear. Tudo era invenção humana, logo, tudo poderia ser transformado pelo Homem, pelo Homem-Coletivo…

Avalie isto:

Fim do Mundo

Quanto tempo duraria uma Guerra Nuclear

Catástrofes do Fim do Mundo

Cinzas na Lua

Marte destrói Lua

Lua de Sangue e a Profecia do Fim do Mundo

🔴NOSSO MEDO DO APOCALIPSE, CIÊNCIA E RELIGIÃO